Aba 1

Postado em 22 de Março às 21h06

No Dia Mundial da Água, Papa pede ação rápida Contra a Poluição e Desperdício

Destaque (80)
Diocese de Chapecó/SC O dia 22 de março é conhecido como o dia mundial da água. Neste ano, o tema é "Valorizar a água", com o objetivo de conscientizar a população sobre o...

O dia 22 de março é conhecido como o dia mundial da água. Neste ano, o tema é "Valorizar a água", com o objetivo de conscientizar a população sobre o desperdício desse bem tão importante para a saúde e sobrevivência de todos.

"Para nós, a 'irmã água' não é uma mercadoria: é um símbolo universal e uma fonte de vida e saúde" diz Papa Francisco. Ele ainda reforça que a água potável e o saneamento devem ser garantidos para todos "Eu lhes asseguro que aqueles que não têm água para cozinhar, para a higiene pessoal, mas também para serem tratados adequadamente no hospital, entendem muito bem o valor da água."

Conforme informações do Vatican News e das Nações Unidas, atualmente mais de 2 bilhões de pessoas têm algum tipo de problema com o acesso regular, a quantidade e qualidade adequadas de água potável, e mais ou menos 4 bilhões de pessoas têm problema com saneamento.

Responsabilidade e cuidado com a água estão no centro da mensagem assinada em nome de Francisco pelo Secretário de Estado, Pietro Parolin. No entanto, observa o cardeal "este recurso não foi tratado com o cuidado e a atenção que merece. Desperdiçá-la, negligenciá-la ou poluí-la é um erro" que ainda hoje se repete.

Questões críticas: água insalubre, mudanças climáticas, exploração


Existem vários problemas relacionados à água no século XXI. O primeiro é o acesso à água potável segura que ainda não está ao alcance de todos. A água - recorda o Papa na Laudato si' - é "um direito humano básico, fundamental e universal, [...]”, porém, a população tem se mostrado indiferente quanto ao desperdício de água e esgotamento desse recurso, que resulta também no aquecimento global.

Sobriedade e solidariedade nos estilos de vida e na linguagem

Em sua mensagem, o cardeal Parolin indica que devemos nos referir ao uso de água sensato, de acordo com nossas reais necessidades e respeitando as dos outros. “Por exemplo, se protegermos as áreas úmidas, reduzindo as emissões de gases de efeito estufa, possibilitaremos a irrigação de pequenos proprietários e melhoraremos a resiliência nas áreas rurais, e assim as comunidades de baixa renda, que são as mais vulneráveis no abastecimento de água, se beneficiariam e seriam retiradas de sua prostração e negligência", afirma o Cardeal.

O acesso à água potável e ao saneamento adequado reduzem o risco de contaminação de alimentos e a propagação de doenças infecciosas. Parolin afirma que a colaboração entre os Estados, setor público e privado é necessária, assim como a contribuição das organizações intergovernamentais, e que há uma necessidade urgente de "cobertura legal obrigatória e apoio sistemático e eficaz" para garantir água de igual qualidade e quantidade em todo o mundo. 

 

Fonte: Vatican News

Veja também

CF2020- COMO FICAR INDIFERENTES E INSENSÍVEIS?11/03/20 O texto-base da Campanha da Fraternidade deste ano nos traz uma série de dados e situações que desafiam a ver, compadecer-se e cuidar de tantas irmãs e irmãos com dores e sofrimentos. São dados pesquisados em organismos sérios. Os sofrimentos e as vidas feridas de nosso próximo não são apenas número e informação. São o......
Palavra do Bispo - Junho 201906/06/19O caminho que as novas Diretrizes propõem à Igreja no Brasil As novas Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil para o próximo quadriênio (2019 a 2023), após intenso processo de debate e acréscimos dos bispos, foram aprovadas na manhã do dia 6 de maio......

Voltar para Notícias


Uso de Cookies

Nós utilizamos cookies com o objetivo de oferecer a melhor experiência no uso do nosso site. Ao continuar sua navegação, você concorda com os nossos Termos de Uso.