Aba 1

Postado em 27 de Maio de 2019 às 17h06

Maria, a fiel discípula-missionária de Jesus

Mensagem (20)
Diocese de Chapecó/SC ?Fazei tudo o que Ele vos disser.? (Jo 2,5) Na Bíblia, todos os evangelistas, de acordo com a realidade da sua comunidade de fé, apresentam um retrato de Maria. Mas, todos eles nos apresentam Maria como...

?Fazei tudo o que Ele vos disser.? (Jo 2,5)

Na Bíblia, todos os evangelistas, de acordo com a realidade da sua comunidade de fé, apresentam um retrato de Maria. Mas, todos eles nos apresentam Maria como discípula e mensageira do Evangelho. Vamos voltar nossa atenção para Maria que é nossa mestra e modelo de discipulado, para que sejamos bons discípulos e mensageiros da Boa Nova de Jesus.
Marcos apresenta um retrato de Maria convidada para entrar na escola do seguimento de Jesus (Mc 9,7) e a proclamar a sua fé com valentia (Mc 6,7.13; 16,15). Logo depois de escolher os doze, Jesus sobe a montanha, lugar do encontro com o Pai, e aí cria uma nova família, a família dos seguidores, inclusive Maria, sua mãe é convidada a fazer parte deste discipulado tornando-se uma ?peregrina da fé?.


Mateus destaca Maria como mulher descendente do povo de Deus e sua ação é colaborar no cumprimento das Escrituras. ?Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho? (Is 7,14). Ela, mesmo no seu silêncio, tem uma missão especial a favor de Jesus, o Salvador do povo. Maria aparece como aquela mulher que vive plenamente o seguimento a Jesus e é fiel às exigências feitas por Ele: Maria ama a Jesus acima de tudo (Mt 10,37), Ela acompanha o Filho em todos os momentos, mesmo que lhe custe dor e sofrimento (Mt 10,38). Maria é capaz de perder tudo para manter-se unida a Jesus (Mt 10,39). Maria, com sua vida, sua obediência e sua proximidade junto a seu Filho, é a perfeita discípula e modelo de seguimento para todos nós.
Lucas apresenta outro retrato. Nele, Maria é uma mulher ativa, comprometida, que se oferece livremente para colaborar no plano da salvação, sentindo-se, ela mesma, discípula e serva do Senhor. Mulher disposta a servir e a anunciar a boa nova da Salvação. Maria representa o povo de Israel que espera o Libertador. Ela é jovem, virgem, cheia de graça e com uma fé parecida com a fé de Abraão. Sua figura inicia o povo novo de Deus. Maria é a primeira a dar o seu sim para que o projeto de Deus aconteça. Mulher de oração, que cultiva uma sadia vida interior. Ela guarda e medita os acontecimentos no coração (cf. Lc 2,19-52). É terra boa que acolhe a semente e faz produzir frutos. Por isso, Maria é também mulher missionária que abre caminho em meio às dificuldades.


João destaca a presença de Maria no início e no final do Evangelho. Ela é sempre chamada de ?Mãe de Jesus? e tratada como ?mulher?. Nas Bodas de Caná, Maria é mulher atenta às necessidades. Ela percebe a falta de vinho e toma providência. É mulher de iniciativa. Com essa atitude, Maria mostra que a Igreja precisa de pessoas com iniciativa, capazes de perceber as necessidades do povo e dispostas a fazer tudo o que Jesus mandar. No final do Evangelho, Maria aparece junto à cruz de Jesus. É mulher forte que fica de pé diante da cruz. Aí, Maria é confiada aos cuidados do discípulo e o discípulo confiado aos cuidados da mulher. Maria recebe a missão de ser a mãe da comunidade de Jesus, mãe de todos aqueles e aquelas que acolhem e vivem a Palavra de Deus. Maria é a Mãe de Jesus e a Mãe da Igreja.


Considerando os diferentes retratos de Maria descritos pelos evangelistas, nos perguntamos: qual foi o fio condutor, qual foi o ponto de unidade e de força na vida e missão da Mãe de Jesus?


Parece-me oportuno responder a esta pergunta com as palavras do Papa Francisco, quando ele afirma que o sim de Maria ?foi apenas o primeiro de muitos «sins» pronunciados no seu coração?. Maria disse o seu «sim» a Deus, um «sim» que transtornou a sua vida humilde de Nazaré, mas não foi o único; antes, foi apenas o primeiro de muitos «sins» pronunciados no seu coração tanto nos seus momentos felizes, como nos dolorosos? muitos «sins» que culminaram no «sim» ao pé da Cruz. (...) E eu me pergunto: sou um cristão ?soluçante? ou sou cristão sempre? Infelizmente, a cultura do provisório, do relativo penetra também na vivência da fé. Deus pede-nos para Lhe sermos fiéis, todos os dias, nas ações quotidianas?. E acrescenta: ?Mesmo se às vezes não Lhe somos fiéis, Ele é sempre fiel e, com a sua misericórdia, não se cansa de nos estender a mão para nos erguer e encorajar a retomar o caminho, a voltar para Ele e confessar-Lhe a nossa fraqueza a fim de que nos dê a sua força. E este é o caminho definitivo: sempre com o Senhor, mesmo com as nossas fraquezas, mesmo com os nossos pecados. Nunca podemos ir pela estrada do provisório. Isto nos destrói. A fé é a fidelidade definitiva, como a de Maria?. (Homilia do Papa Francisco na Santa Missa celebrada na Praça de São Pedro por ocasião da Jornada Mariana no Ano da Fé - outubro 2013).

Sejamos obedientes e acolhamos a Virgem Maria como nossa mestra. Ouçamos a sua voz e inspiremo-nos especialmente em seu testemunho de fé e de fidelidade, para sermos hoje, também nós, fiéis discípulos missionários/as de seu Filho, Jesus Cristo.

Dom Odelir José Magri, MCCJ

Veja também

PALAVRA DO BISPO - Fevereiro 202007/02/20 Plano Diocesano de Pastoral No triênio 2017 a 2019, como Povo de Deus da Diocese de Chapecó, trilhamos um intenso processo celebrativo rumo ao jubileu de diamante da nossa Diocese. Muitas ações evangelizadoras foram construídas neste tempo jubilar, dentre as quais destacamos o processo da 10ª Assembleia Diocesana de Pastoral e a construção sinodal deste......
Palavra do Bispo - outubro de 201901/10/19 CARTA DE MOTIVAÇÃO MISSIONÁRIA ÀS COMUNIDADES Sobre o Mês Missionário Extraordinário Batizados e enviados: a Igreja de Cristo em missão no mundo Saudações, amados......

Voltar para Notícias


Uso de Cookies

Nós utilizamos cookies com o objetivo de oferecer a melhor experiência no uso do nosso site. Ao continuar sua navegação, você concorda com os nossos Termos de Uso.