Aba 1

Postado em 11 de Março às 16h24

PLANO DIOCESANO: "Deixemo-nos guiar pela luz do Senhor" para ver na fé

Artigos (8)
Diocese de Chapecó/SC No texto passado iniciamos a apresentação do nosso Plano Diocesano de Pastoral. Em cada mês iremos conhecer uma parte do texto. O objetivo desta transcrição é possibilitar que mais...

No texto passado iniciamos a apresentação do nosso Plano Diocesano de Pastoral. Em cada mês iremos conhecer uma parte do texto. O objetivo desta transcrição é possibilitar que mais pessoas conheçam o que foi assumido como Diocese para este quadriênio.

Neste mês, iniciaremos com o ver a realidade (números 8 a 13 do Plano). De modo especial, o que se refere à cultura urbana.

Introdução
“A ação evangelizadora é toda a ação da Igreja que favorece a fé, quer para gerá-la (querigma), quer para desenvolvê-la e mantê-la (pastoral propriamente dita), quer ainda para projetá-la nas várias áreas da vida humana (pastorais específicas)” (DGAE/SC, nº. 07.). Entretanto, para projetar esta ação, uma das exigências evangélicas é ler a realidade e deixar-se interpelar por ela.

Como Igreja Diocesana, ao construir um Plano Diocesano de Pastoral, lançamos nosso olhar sobre o contexto que nos cerca. Sabemos, porém, que ele é bastante amplo e complexo. Por isso, provocados pelas Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil e pelas indicações da 10ª Assembleia Diocesana de Pastoral, destacamos algumas marcas.

A cultura urbana

Somos uma Diocese predominantemente urbana. As 10 maiores cidades, segundo a estimativa do IBGE para 2019, somam 445.101 habitantes, ou seja, 54,4 % da população total. Os 10 maiores municípios da Diocese são: Chapecó, Xanxerê, São Miguel do Oeste, Xaxim, Maravilha, São Lourenço do Oeste, Pinhalzinho, Abelardo Luz, Seara e Itapiranga. A inversão da situação populacional ocorreu em pouco tempo. Esta alteração nos faz sentir ainda mais os impactos da urbanização.

“O desenvolvimento urbano tem sido responsável pela mudança de hábitos e, também, mudança da cultura geral da população. Urbano é um conceito cultural, globalmente disseminado. É um estilo de vida, um jeito de viver, com seus códigos, símbolos e linguagens. Portanto, ele não pode ser reduzido apenas a um conceito geográfico” (DGAE/SC, nº. 39).

“A cultura urbana ultrapassa os limites geográficos das grandes metrópoles. Da cidade ao campo, do centro às periferias, dos pequenos aos grandes espaços de convívio humano, a cultura urbana tem influenciado a todos nós. A praça da matriz, no centro da cidade, deixou de ser a referência do encontro entre as pessoas. Na cultura urbana, são diversos os espaços e os modos de as pessoas encontrarem-se e buscarem um sentido para suas vidas. Não podemos apenas esperar que as pessoas venham às nossas igrejas para nos escutar. Se pretendemos evangelizar, de fato, precisamos também fazer o movimento inverso: sair dos nossos espaços eclesiais e ir ao encontro das pessoas em suas diferentes realidades e situações, dispostos a ouvir e a propor o Evangelho de Jesus Cristo como luz e caminho para juntos construirmos o Reino de Deus” (DGAE/SC, nº. 41).

“Dentre as principais características desta cultura, as que mais têm impactado a ação evangelizadora da Igreja em Santa Catarina são: o dinamismo na vida das pessoas, com a necessidade de novidades, pois tudo muda muito rápido, com o bombardeio de informações em tempo real; o mosaico de disparidades sociais, culturais, econômicas e políticas, com uma justaposição de pessoas, grupos ou situações, porém, desconexas e isoladas; a multidão anônima e solitária, formada por pessoas que, mesmo estando juntas, não se conhecem; a perda do sentido de identidade em meio a tantas ofertas e, ao mesmo tempo, a busca de um sentido, que faz com que a casa, o grupo e a pequena comunidade adquiram importância fundamental de construção de identidade; a espetacularização da vida, principalmente nos meios de comunicação, até mesmo com a religião ao sabor do mercado, que mascara a realidade; o pluralismo de culturas, povos, religiões, linguagens, necessidades, maneiras de viver, possibilidades de expressões, entre outras.” (DGAE/SC, nº. 45).

Veja também

Plano Diocesano de Pastoral: conhecer para assumir11/03 No triênio 2017 a 2019, como Povo de Deus da Diocese de Chapecó, trilhamos um intenso processo celebrativo rumo ao jubileu de diamante da nossa Diocese. Muitas ações evangelizadoras foram construídas neste tempo jubilar, dentre as quais destacamos o processo da 10ª Assembleia Diocesana de Pastoral e a construção sinodal deste Plano Diocesano de Pastoral. O......
CF2020- COMO FICAR INDIFERENTES E INSENSÍVEIS?11/03 O texto-base da Campanha da Fraternidade deste ano nos traz uma série de dados e situações que desafiam a ver, compadecer-se e cuidar de tantas irmãs e irmãos com dores e sofrimentos. São dados pesquisados em......
CF 2020: MENOS PURITANOS E MAIS SAMARITANOS04/03 A frase do lema desta CF -“Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10,34) - é parte da parábola do “Bom Samaritano”, contada por Jesus ao “ensinador” da Lei. Este iniciou perguntando “o que devo......

Voltar para Notícias