Aba 1

Postado em 26 de Julho às 15h10

Palavra do Bispo - Julho 2019

Mensagem (15)Destaque (41)

SE O CORAÇÃO NÃO ARDE, OS PÉS NÃO ANDAM

Diocese de Chapecó/SC SE O CORAÇÃO NÃO ARDE, OS PÉS NÃO ANDAM “Não ardia em nós o nosso coração quando ele nos falava no caminho e nos explicava as Escrituras?” (Lc 24,32) O Papa Francisco, desde o...


“Não ardia em nós o nosso coração quando ele nos falava no caminho e nos explicava as Escrituras?” (Lc 24,32)


O Papa Francisco, desde o início de seu pontificado, tem-nos provocado a sermos uma Igreja em saída, próxima às pessoas. Percebe-se que o coração dos cristãos tem aquecido cada dia mais na disponibilidade em cultivar uma profunda “paixão por Jesus Cristo e simultaneamente pelo seu povo” (EG 268). Essa alegria cresce com a leitura dos escritos (Evangelii Gaudium, Gaudete et Exsultate, Christus Vivit e a Carta Encíclica Laudato Si), sempre na perspectiva de construir pontes que integram e levam às periferias geográficas e existenciais da vida. 

Nas últimas duas assembleias das Pontifícias Obras Missionárias, Francisco pediu mais paixão e ardor missionário: “Vos peço, por favor, zero burocracia e menos administração. Mais paixão, mais anúncio do Evangelho e mais amor”. O conteúdo para a Igreja em saída é o Evangelho. Não são apenas ideias, mas o encontro com a pessoa de Jesus Cristo que dá novo horizonte à nossa vida. A presença de Jesus inaugura um novo tempo marcado pela alegria que é traço constitutivo do Evangelho. A falta de alegria desfigura a beleza da mensagem.


É preciso, portanto, vencer as tentações do acomodamento rotineiro. É urgente romper com os vícios que o Santo Padre tem frequentemente apontado: o clericalismo que nos fecha em nós mesmos, o carreirismo pessoal, que no seu discurso à Cúria Romana, em dezembro de 2013, o Papa descreve como “um desejo entranhado de poder e prestígio que pode ser uma tentação para todos nós”, pois transforma a Igreja em uma empresa e não em missão do Evangelho. Ou ainda, estar atentos ao que o Papa chama de tentações do agente de pastoral: a autorreferencialidade, o mundanismo espiritual, o individualismo, a rigidez, as vaidades ao se iludir de que a missão é nossa e depende somente de nós.

A saída, que o Papa propõe para a Igreja, não é a saída de uma Igreja triunfante e poderosa que sai para conquistar o mundo. Não é essa a missão. Se for de acordo com Jesus, a missão é Kenosis, é esvaziar-se para servir. “Ele esvaziou-se a si mesmo e tomou a condição de servo” (Fl 2,5ss). Assim sendo, “A alegria do Evangelho para uma Igreja em saída” não pode ser apenas um tema a mais, um assunto de moda, escolhido ou preferido entre outros. Mas é uma palavra de ordem que escutamos do Papa Francisco. Esse tema é como a tradução nova do chamado de Jesus aos discípulos: “Vem e segue-me”.


Por isso, no contexto do ano jubilar de nossa Diocese e no processo da 10ª ADP, desejo fazer um apelo, um pedido de pai e de pastor, a cada filho e filha de Deus de nossa Diocese: Por favor, a alegria do Evangelho e Igreja em saída não podem ser palavras repetidas sem profundidade aqui e ali, que não chegam a mudar nada em nossa vida concreta, nem nosso jeito de ser Igreja. Não pode ser assim. Não deixemos que seja assim!


Ao contrário, viver profundamente a alegria do Evangelho para uma Igreja em saída expressa o núcleo central do que acreditamos ser nossa missão de cristãos. O Evangelho é para ser vivido e experienciado como Boa Notícia do Reino de Deus, isso é, que o projeto divino comece mesmo neste mundo, aqui e agora. Esse caminho de saída, se expressa na experiência de uma Igreja de comunhão e participação: caminhar juntos para uma Igreja em saída. A missão é tarefa eclesial, não está restrita a um grupo, a uma pastoral ou a um movimento. Missão não é tarefa de algumas pessoas apenas, mas identidade e essência de toda a Igreja. Neste mês de julho, iniciaremos a segunda etapa do processo da 10ª Assembleia Diocesana de Pastoral, tempo oportuno para acolhermos as propostas, apelos e desafios do processo de ESCUTA que aconteceu em nossas paróquias e comunidades.


A partir dos frutos colhidos nesta primeira etapa, à luz da Palavra de Deus e também das Novas Diretrizes da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil, as nove pré-assembleias regionais deverão ajudar a colocar os fundamentos na construção do nosso Plano de Pastoral Diocesano para o próximo quadriênio. A meta é que nossa Diocese se torne cada vez mais rede de comunidades de discípulos missionários do Senhor Jesus, “Casa da Palavra, do Pão, da Caridade e da Missão”, a serviço da alegria do Evangelho do Mestre, testemunhando e fortalecendo o Reino de Deus, rumo à sua plenitude. Avancemos! Somos missionários e missionárias, aqui e agora, em nossas comunidades e além das nossas fronteiras, onde o Senhor nos levar.Testemunhas da alegria do Evangelho e também da cruz de Cristo no sofrimento do povo de Deus, em um cenário marcado por contradições que exigem respostas aos novos desafios da missão.

Avancemos com uma fé ardente e testemunho profético. Estejamos certos de que se o coração não arde, os pés não andam.

Que Santo Antônio, nosso padroeiro, e a Mãe peregrina, Nossa Senhora Aparecida, nos guiem nos caminhos da missão.

Dom Odelir José Magri, MCCJ



 

Veja também

Semana Nacional da Família 2019 celebra os 25 anos do tema da Campanha da Fraternidade de 199409/08 A semana Nacional da Família tem início neste domingo, 11 de agosto, e segue até o próximo sábado, 17 de agosto. Este ano, a semana tem como tema: " A Família, como vai?",  o mesmo tema da Campanha da Fraternidade de 1994, que celebra em 2019, o seu jubileu de prata. A proposta da Semana Nacional das Famílias é indicar a necessidade de a......

Voltar para Notícias