Aba 1

Postado em 20 de Dezembro de 2018 às 14h47

Padre Romualdo Zimmer celebra 60 anos de ordenação

Diocese de Chapecó/SC Nesta quinta-feira, 20 de dezembro, o padre diocesano Romualdo Zimmer celebrará uma missa em ação de graças pelos seus 60 anos de ordenação. A celebraçaõ será...

Nesta quinta-feira, 20 de dezembro, o padre diocesano Romualdo Zimmer celebrará uma missa em ação de graças pelos seus 60 anos de ordenação. A celebraçaõ será as 19h, na Igreja Matriz de São José do Cedro.

Pe. Romualdo é um dos pilares da Igreja diocesana de Chapecó que em 2019 também celebrará 60 anos de caminhada. Ele, que viu a diocese nascer, é testemunha de uma Igreja em formação e até hoje dá vida a esta história de alegria e perseverança ao projeto de Deus. Abaixo retomamos alguns trechos sobre sua vida em entrevista concedida ao Jornal Diocesano, onde o mesmo fala de sua vocação e marcas da diocese. 


Sobre a vocação
Falar da vocação é falar de Deus. Falar de Deus é falar do amor, da vida e da história. Um Deus que caminha com seus filhos e filhas. Mistura a sua vida com a vida delas e deles. Nisto, a Bíblia é sempre espe-lho. Nela, nos descobrimos caminhando com Ele. Nela, descobrimos o Deus da história, pois ela narra os feitos de Deus na vida de seu povo. É a história de fidelidade e infidelidade do Povo de Deus e nossa. É o livro da fé de Israel, o alimento de sua esperança. Ela narra os chamados de Deus para ajudar a caminhada do povo.
Deus sempre foi criativo. Prepara o terreno. Prepara a pessoa. Mostra carinho. Incentiva pela alegria... No meu caso, um menino de família simples, oriunda do Rio Grande do Sul, que mora perto da igreja. Vive a vida normal de uma família. Têm exemplo, especialmente da mãe, que vai todas manhãs à missa. O con-tanto constante com a igreja e casa paroquial. Aos nove anos já é coroinha. Na alegria da convivência com os amigos em torno do altar e na amizade com o padre, Deus plantou a semente do chamado.

A família e a comunidade cristãs ajudaram no discernimento vocacional?
A reza diária em família, a ida do irmão mais velho para o Seminário, a participação constante na comuni-dade foram cultivando e amadurecendo a semente inicial da vocação. A decisão de ir para o Seminário foi mais um passo. O discernimento aconteceu graças à oração e direção espiritual durante toda a caminhada de Seminário Menor e Maior. O diaconato e o Presbiterato foram o SIM decisivo.

Por que ser padre diocesano e na Diocese de Chapecó?
Quando a gente olha para o passado, sempre percebe que Deus esteve presente em nossos caminhos e, nós nos caminhos dele. Na época não existia diocese no Oeste catarinense. Era terra de missão. Pertencíamos à “Prelazia de Palmas” no Paraná, que abrangia o oeste paranaense e catarinense. O Administrador Apostóli-co era o Prelado Monsenhor Frei Carlos Eduardo Sabóia Bandeira de Mello OFM. Em 1939 ou 1940 ele veio a São Carlos e durante a missa fez sentir a necessidade ao povo de rezar pelas vocações, pois a Prelazia ti-nha pouquíssimos padres. Comunicou que estava iniciando um pequeno Seminário em sua própria casa. Como fruto deste primeiro contato, o meu irmão foi para o Seminário de Palmas, sendo um entre os primei-ros seminaristas. Em 1942, com 11 anos incompletos, segui também para o Seminário.
O movimento para a criação de diocese surgiu na década de 50. Já era conversa constante entre os se-minaristas filósofos e teólogos da época. Procurávamos ter notícias com o Pe. Luiz Heinen que fora encarre-gado pela Nunciatura Apostólica para organizar o patrimônio para a criação das duas novas dioceses: Palmas e Chapecó. Quando, em janeiro de 1958 veio a notícia da criação das dioceses soubemos que na Bula Apos-tólica constava que os seminaristas pertenceriam à diocese na qual seus pais estavam residindo. O desejo se realizou com a criação da diocese de Chapecó.

Viveste o antes e o depois do Vaticano II. A Diocese está hoje longe ou perto de ser Igreja de comunhão e participação?

Comunhão e participação é a proposta feliz dos bispos da América Latina. no Documento de Puebla nº 327, como ideal a ser buscado sempre por nossa Igreja. É a comunhão de esforços, de intenções, de corações e partici-pação de todos na construção de uma Igreja de irmãos e irmãs, servidora numa sociedade inteiramente nova, libertada. Sabemos que toda a mudança histórica não é realizada de um dia para o outro. É o resultado de um processo que amadurece através de movimentos. No caso do Concilio Vat. II, alguns movimentos o precederam e fizeram desabrochar: O Movimento Bíblico, o Litúrgico, o Patrístico, o Ecumênico, o Missiológico, Catequético, à Ação Católica, etc... Nossa Diocese já fez uma boa caminhada procurando entender que ”ninguém pode amar a Deus, a quem não vê, se não ama o irmão a quem vê” (1 Jo 4,20) Há outras coisas bonitas acontecendo: Conselhos de pastoral, comunidades comprometidas com muitas lideranças e ministérios, assembleias, comunitárias, paroquiais e diocesanas, equipes paroquiais de pastoral etc. Tudo isso é sinal que aponta para maior Comunhão e Participação. Temos ainda muito a fazer, a crescer, a unir e amar, com a graça, a presença do Senhor e seu Espírito.

O que dizer sobre este tempo de graça para ti e também para a diocese:

A Diocese de Chapecó nasceu sob os auspícios de ser um celeiro de vocações sacerdotais e religiosas. Com a graça de Deus, tive o privilégio de ajudar a dar os primeiros passos na organização da Pia Obra das Vocações Sacerdotais e Religiosas, nas Capelinhas de Nossa Senhora com objetivo vocacional, e colaborar com o Secretariado Diocesano de Vocações, e ainda junto com Pe. Adair M. Tedesco iniciar o Seminário Diocesano.

Todos nós, Padres, religiosos e religiosas, lideranças, animadores e animadoras vocacionais, e cada cristão e cristã, temos compromisso com o Reino de Deus. Sabemos que a vocação é dom, é graça. Mas também sabemos, com os antigos teólogos: “a graça supõe a natureza”. Por isso, é tarefa e empenho nosso, preparar o terreno, criar ambiente propício, ter motivações apropriadas, especialmente dar testemunho e re-zar muito para que o chamado.do Espírito do Senhor seja acolhido.

Pode elencar algumas alegrias durante estes anos de serviço à Igreja?
Foram muitas as alegrias. Impulsionaram fé, coragem, força, e enobreceram cada pessoa que partici-pou da nossa caminhada. Enumero apenas algumas:
A Ordenação presbiteral, a primeira missa na terral natal, foram o início. Depois, tantas outras que fi-zeram parte da vida, pois a alegria está na entrada de tudo o que é ordinário, simples e humilde.  Marcou profundamente a celebração do primeiro casamento. Era no interior da paróquia. A Igreja, era um punhado de gente pobre, reunida na alegria da presença do padre, em torno de uma mesa capenga, à sombra de uma árvore, perto de um rancho de pau a pique. Os noivos, simples, humildes, felicíssimos. A alegria não era apenas o sorriso nos lábios, mas nos olhos e no coração. Foi contagiante. Uma celebração alegre, cheia de fé simples e humilde.

As alegrias do início do Seminário Diocesano em Lindóia. Depois, com o Concílio Vaticano II, as pri-meiras experiências litúrgicas. Ao apelo de Dom José Gomes, fizemos a experiência da preparação do pri-meiro grupo dos Ministros extraordinários da Comunhão e Palavra da diocese, no Setor Itaberaba, Paróquia Santo Antonio da Catedral de Chapecó.
As experiências das Equipes Paroquiais de Pastoral, desde a primeira, na Paróquia da Catedral, depois, Xanxerê e São José do Cedro, são repletas de fraternidade e alegrias. O convívio e trabalho em equipe – pa-dres , Irmãs e agentes leigos – tem sido muito enriquecedor, alimentando-nos mutuamente com mais vida. Foi o segredo da nossa força na caminhada, podendo mesmo sermos alegres nos sofrimentos, nos deveres e sacrifícios.

A alegria com o povo, nos primeiros Círculos Bíblicos, e depois nos Grupos de Reflexão: a alegria da descoberta da Bíblia, ocasião de falar das cosias da vida com o padre, sentir-se gente, ter o direito de dar sua opinião etc.

No trabalho constante com lideranças nas paróquias e também no CTPL, na partilha dos saberes, nas experiências e vivências do povo simples e trabalhador, vivemos juntos a alegria como hábito permanente, que tornou mais fáceis as ações difíceis e suavizou as dificuldades de cada dia. O surgimento dos Movimentos populares e as alegrias de suas conquistas, frutos de conscientização e organização em vários setores da vida. 

Obrigada por seu testemunho, pe. Romualdo!

  • Diocese de Chapecó/SC -

Veja também

Nova Presidência da CNBB14/05/19 Dom Odelir José Magri, foi eleito presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Ação Missionária e Cooperação Intereclesial para o quadriênio de 2019 a 2023, na 57º Assembleia Geral dos Bispos do Brasil (AGBB), no dia sete de maio deste ano. Dom Odelir já atuava como coordenador do Grupo de Trabalho que prepara as atividades de......
Dom Francisco Carlos Bach é o novo presidente do Regional Sul 419/08 Em reunião virtual na tarde desta segunda-feira, 17 de agosto, os bispos de Santa Catarina elegeram dom Francisco Carlos Bach como o novo presidente do Regional Sul 4 da CNBB. O episcopado também elegeu dom Rafael Biernaski como vice-presidente,......

Voltar para Notícias