Aba 1

Postado em 01 de Outubro de 2018 às 15h36

OUTUBRO 2018 – MÊS MISSIONÁRIO - ENVIADOS PARA TESTEMUNHAR O EVANGELHO DA PAZ

Geral (40)
Diocese de Chapecó/SC “Eu sou uma missão de Deus nesta terra e para isso estou neste mundo” Celebramos o mês missionário (outubro) com o tema: “Enviados para testemunhar o Evangelho da paz”, e com...

“Eu sou uma missão de Deus nesta terra e para isso estou neste mundo”

Celebramos o mês missionário (outubro) com o tema: “Enviados para testemunhar o Evangelho da paz”, e com o lema: “Vós sois todos irmãos” (Mt 23,8).
A reflexão que segue é inspirada num texto do Pe. Maurício Jardim, Diretor Nacional das Pontifícias Obras Missionárias (POM).

A missão é uma só e nasce no coração da Trindade. A missão é de Deus e Deus é missão. Ela nasce em nós pelo batismo e pelo encontro com Jesus Cristo que dá novo horizonte à nossa vida (cf. DAp 29). É um encontro apaixonante que transborda. “Missão é paixão por Jesus Cristo e simultaneamente paixão pelo seu povo” (Evangelli Gaudium, 268). Sem essa paixão, a missão fica reduzida e dispersa, saímos para muitas outras coisas, andando de um lado para o outro sem mística e sem ardor. Portanto, missão é questão de paixão e de identidade cristã.

Jesus convocou o grupo dos doze para que primeiro ficassem com Ele e depois os enviou a pregar (Cf. Mc 3,14). A primeira tarefa do missionário(a) é ficar com Ele para deixar-se conformar pela sua identidade. Desse encontro nasce a missão que não tem fronteiras. O envio é até os confins da terra, ou seja, até às periferias geográficas e existenciais. Ao sermos enviados, não anunciamos a nós mesmos e a nossos projetos, mas ao Evangelho, Boa Notícia de salvação para todos.

O Papa Francisco dá ênfase à dimensão existencial da missão: “Eu sou uma missão de Deus nesta terra, e para isso estou neste mundo” (EG, 273). Nesse sentido, a vida se torna missão e ser missionário/a está além de cumprir tarefas ou fazer muitas coisas. Está na ordem do ser. É existencial, toca a identidade, a essência e não se reduz a algumas horas do dia. E é, pois, nesse mesmo sentido que na Exortação Apostólica Gaudete et Exsultate (n.27) o Papa chega a afirmar: “Não é que a vida tenha uma missão, mas a vida é uma missão”.

Dentro dessa compreensão existencial da missão, o testemunho tem força eloquente. Paulo VI sublinha: “As pessoas de hoje escutam com mais boa vontade as testemunhas do que os mestres, e se escutam os mestres é porque eles são testemunhas”. E ainda: “Cada santo/a é uma missão por excelência” (Gaudete et Exsultate, 19). Por isso, o mês missionário sempre ressalta o valor do testemunho num mundo marcado por tantas formas de violência. Portanto, testemunhar o Evangelho da paz nos convida a ações concretas de misericórdia, nas realidades desfiguradas pela corrupção, pela fome e pelas injustiças.

A missão é sempre tarefa eclesial. Uma pessoa, grupo ou instituição não pode ter o monopólio da missão. A missão tem, portanto, cunho comunitário. Nossos conselhos missionários, em suas distintas composições (paróquia, diocese, regional e nacional) são convidados a caminhar juntos e a contribuir com a missão de Deus. Uma forma concreta de cooperar com a causa missionária é a oração e a oferta em favor da evangelização dos povos. Esta oferta foi instituída em 1926, pelo Papa Pio XI, tendo presente as grandes necessidades universais, no penúltimo domingo de outubro, conhecido como o Dia Mundial das Missões.

A contribuição de cada cristão nesse dia tem como finalidade a evangelização, animação e cooperação missionária. Dessa coleta, 80% são destinados a auxiliar atualmente 1.050 dioceses pobres nos “territórios de missão” e diversos projetos na África, Ásia, Oceania e América Latina. Os outros 20% são para a ação missionária no Brasil.
Que o Espírito Santo, protagonista da missão, faça-nos abraçar sempre mais a causa missionária que deve ser a primeira de todas as causas (cf. EG 15).

Dom Odelir José Magri, MCCJ

Bispo diocesano de Chapecó

 

Veja também

QUARESMA E MISSÃO - Fraternidade e Vida: Dom e Compromisso04/03 Iniciamos o caminho para a Páscoa. O nosso peregrinar torna-se mais intenso ao contemplar, a partir de agora, o Mistério que nos restaurou a vida, o Mistério da nossa reconciliação com Deus por meio de Cristo Jesus, que padeceu, morreu e ressuscitou pelos nossos pecados. A nossa preparação faz-se a caminhar, e todo o caminhar implica uma partida, uma saída.......
É tempo de Cuidar: “O amor nos coloca em movimento”05/06 Toda ação parte de uma percepção que vem através de uma reflexão, de um olhar, de uma situação, enfim, de algo que toca, sensibiliza, move as entranhas da compaixão misericordiosa. E,......

Voltar para Notícias